r

r

Quando se trata de parapsicologia, o maior problema é o charlatanismo e as mentiras existentes relacionados aos fenômenos paranormais. É decepcionante o tempo perdido quando se tenta estudar e comprovar cientificamente tais fenômenos, quando é descoberto que é uma farsa. Com a existência de tantas farsas e charlatões, fica difícil acreditar em paranormalidade.

A Parapsicologia

Quando o naturalista inglês Charles Darwin lançou seu estudo ou teoria a respeito da origem das espécies, muitas pessoas perderam um pouco da fé na igreja católica pelo fato de que essa teoria vai de encontro a todas as coisas já ditas pela instituição sobre a “criação do homem”. Com isso a população foi criando uma necessidade muito grande de se acreditar em alguma coisa. Na mesma época, no estado de Nova Iorque, as irmãs Fox afirmavam que se comunicavam com espíritos de pessoas mortas. Pronto. Automaticamente esse fenômeno conquistou vários seguidores, quando as irmãs confessaram a fraude trinta anos mais tarde, já era tarde de mais e não tinha mais volta: as pessoas estavam impregnadas por uma nova religião: o Espiritismo.

 Essa religião originou um novo tipo de ciência: a parapsicologia.

         Todos conhecemos, ou pelo menos já ouvimos falar de fenômenos paranormais e creio que todos já ouviram falar em parapsicologia. Pois bem, a parapsicologia é a ciência que estuda e, por vezes, com experimentos ditos existentes, estuda esses fenômenos.

Muitas vezes, os parapsicólogos têm muita fé nesse tipo de poder, ou seja, acreditam mesmo que poderes paranormais sejam reais e ao fazer testes para estudar a veracidade destes, acabam por forjar as provas escondendo resultados negativos. Essa situação vem se tornando cada vez mais freqüente, fato que preocupa céticos e cientistas que acreditam que isso possa se tornar nocivo à população em geral.

A parapsicologia tem a “honra” de ser a única pseudociência experimental embora seja muito difícil de chamar experimento um teste de parapsicologia. Isso sem contar que essa “ciência” ignora a todos os conhecimentos que venham da ciência. Não existe uma teoria que explique como o imaterial pode interagir com o material. Tentou-se correlacionar os fenômenos psi com diversos aspectos e se utilizou uma gama de instrumentos para investigar e por à prova a hipótese da existência desse fenômeno.

          Mas nem todos os parapsicólogos são de má índole. É o caso de Susan Blackmore, que após anos e mais anos de insucesso em tentativas de provar a existência desses fenômenos, desistiu da carreira de parapsicóloga. A atitude de Susan é extremamente invejável, pois ela teve a humildade de admitir que seus anos de pesquisas e testes falhos foram jogados fora além de coragem para investigar e ir mais a fundo sobre um assunto no qual Blackmore tinha muita fé.

O parapsicólogo brasileiro mais famoso de que se tem noticia é conhecido pelo nome de Padre Quevedo. Em seus artigos, afirma que pessoas capazes de “produzir” fenômenos paranormais seriam psicologicamente desequilibradas e precisariam de tratamento especifico para esse desequilíbrio.

Há um bom tempo, Quevedo tinha uma seção na revista eletrônica dominical Fantástico na qual tentava desvendar esses poderes. Parecia incrível que ele desvendasse TODOS os casos de paranormalidade, mas era só uma questão de atenção. O único caso de que consigo me lembrar é o de uma casa em que pedaços de vidro e espelho “voavam” pelos recintos do imóvel. A dona da casa alegava que havia assombrações e maus espíritos dentro do lugar e a equipe do programa acabou indo ao local e filmou as “paranormalidades”. Não era preciso ser cético muito menos um renomado parapsicólogo para perceber que os cacos eram jogados (sim, jogados-no sentido mais literal da palavra) por uma das filhas da dona de casa. Enfim... Era só prestar atenção. O mais ridículo foi que a revista falou e elogiou muito o padre depois disso pela extraordinária capacidade para desvendar mistérios.

Com o exemplo de Quevedo fica bastante claro que mesmo as pessoas mais esclarecidas têm uma necessidade muito grande de ter respostas para os assuntos que as afligem e seus questionamentos. Ao buscar respostas para tais dúvidas (que muitas vezes se dão pelo fato de as pessoas não terem uma base de pensamento cientifico e não saberem como desenvolve-lo.) acabam por entregar seus futuros nas mãos de tarólogos, astrólogos, videntes e etc., mas a ciência não aceita de forma alguma que o “ocultismo” possa influenciar no rumo da vida desses indivíduos, pois hoje a própria ciência pode “desvendar” esses fenômenos, os quais não conseguiria explicar a séculos atrás.

Os principais motivos para a crença em poderes paranormais são:

1-a impressão de exatidão que os “profissionais” passam ao fazer uma predição;

2-o mistério que normalmente é deixado em volta de uma predição.

Algumas predições realmente se tornam realidade, mas não passam de palpites estudados e, no caso de uma consulta a um paranormal, a própria pessoa acaba por revelar detalhes de informações que precisaria saber. Assim o médium poderia pescar alguns palpites e acertar a predição. Por exemplo:

Um bom manipulador consegue dar uma leitura de um estranho fazendo sentir a este que o manipulador possui um dom especial. Exemplo:

Algumas das suas aspirações tendem a ser irrealistas. Umas vezes sente-se extrovertido, afável e sociável, embora, por vezes, se torne introvertido e reservado. Descobriu que não deve ser muito franco e revelar-se aos outros. Orgulha-se do seu pensamento e não aceita as opiniões de outros sem as examinar. Gosta de alguma mudança e variedade e sente-se preso por limitações e restrições. Por vezes tem duvidas se agiu bem ou tomou a decisão correta. Disciplinado e controlado para os outros, tende a ser no fundo, inseguro.

Apesar das suas fraquezas, normalmente consegue compensá-las. Tem capacidades não usadas, que ainda não aproveitou a seu favor. Tem tendência a ser muito auto critico. Tem grande necessidade de que as outras pessoas gostem de si e que o admirem.

Efeito Forer: quanto mais vago o sonho ou premonição, mais exato (a) parecerá. Essa afirmação é um tanto quanto óbvia, pois quanto menos certeza tivermos ao afirmarmos alguma coisa, seja ela qual for, qualquer coisa lembrará a possível premonição.

Nunca leremos nos jornais entrevistas de clarividentes que falharam ao fazer premonições. Obviamente isso não prova que a clarividência não exista, mas encontrar casos de pessoas que tiveram premonições que se realizaram não significa que esse fenômeno exista. É necessário que se faça testes controlados em cima desses fenômenos para se chegar a uma conclusão embasada. Mas como já foi dito... Infelizmente os parapsicólogos muitas vezes forjam testes o que dificulta, e muito, uma boa conclusão sobre o assunto.

Teste de Paranormalidade: Telepatia

O poder psíquico facilmente é aceito pelas pessoas, no entanto é negado pela ciência. Contudo a paranormalidade pode ser de certo modo ser comprovada e avaliada por alguns testes simples. Eis a seguir um teste, com ele facilmente você poderá descobrir se tem alguma faculdade paranormal. Neste caso evidenciando a Telepatia

Material:

1- Para o teste será necessária a utilização do baralho ZENER. Constituído de 25 cartas, formado por cinco elementos básicos: estrela, cruz, círculo, quadrado, e onda. O baralho ficaria completo com: 5 cartas com o símbolo estrela, 5 cartas com o símbolo cruz, 5 cartas com o símbolo círculo, 5 cartas com o símbolo quadrado, 5 cartas com o símbolo ondas, somando assim um total de 25 cartas.

Veja o modelo das cartas e monte seu baralho Zener.

Esse teste é bastante famoso e pode ser forjado muito facilmente pelos supostos paranormais: os dois combinam a seqüência em que as cartas devem ficar na mesa e uma seqüência de contagem com um intervalo entre os números a serem contados (por exemplo, 1...2...3...4...5 da esquerda para a direita) assim as duas pessoas seriam tidas como  extra-sensíveis.

Quando são feitos experimentos adequadamente controlados, geralmente estes produzem resultados negativos, ou seja, são incapazes de demonstrar um único caso claro de poderes psíquicos ou fenômenos paranormais. Os estudos com resultados positivos são, em sua maioria, explicados por cálculos de probabilidade. Mas estudos negativos são veementemente rejeitados pelos devotos do psi. Quando pesquisadores encontram a mínima estranheza estatística, especulam que isso se deva a poderes paranormais. Essa situação se deve à fé que todos os crentes têm nestes fenômenos.

Sendo assim, fica ridículo correlacionar a psi com qualquer característica se ainda não se provou nem sua existência. Por isso a parapsicologia não é considerada uma ciência e nem realiza experimentos propriamente ditos. Alias a parapsicologia esta muito longe de transformar-se em uma ciência, pois mais de cem anos de pesquisas não foram suficientes para se provar um único fenômeno nesse sentido.

O paranormal mais conhecido do Brasil é Thomas Green Morton que durante anos vem dizendo que pode fazer brotar de suas mãos olhos perfumados, produz luzes com o grito “Rá!” e entorta colheres com a força do pensamento, foi desmascarado há pouco tempo pelo ilusionista James Randi. Mas não diretamente: pelo desafio que lançou no Fantástico: a pessoa que provasse ser um verdadeiro paranormal ganharia 1 milhão de dólares. A principio, o “Homem do Rá” aceitou e até se correspondeu com o ilusionista para saber mais detalhes do procedimento do desafio que ficou “no ar” por meses, pois Morton desistiu de enfrentar o desafio que seria feito sob testes e verificação controlados.

 

Essa não é a primeira vez que Randi desmascara um falso paranormal. Há muitos anos, um famoso homem com supostos “poderes paranormais”, realizou feitos incríveis, como por exemplo, a telepatia. Ganhou muito dinheiro demonstrando publicamente seu “dom”. Esse homem chamava-se Uri Geller e se tornaria conhecido por seus poderes extranormais, não fosse a descrença de alguns, que decidiram olhar mais de perto esses “fenômenos”. Um desses “descrentes” era James Randi, mágico na época, enviou dois de seus alunos (bons conhecedores de técnicas ilusionistas) a um laboratório que estava recrutando indivíduos paranormais com a missão de exibir fenômenos não explicáveis (truques). Esses pupilos adivinharam conteúdo de envelopes lacrados, entortaram hastes metálicas, etc e ficaram conhecidos como grandes para normais e foram convidados para diversos programas de TV e congressos, muitos deles ao lado do próprio Uri Geller. Finalmente, Randi o desmascarou em público e o criticou violentamente.

Uri Geller.

O ser humano só se deixa enganar por ser extremamente sugestionável e por possuir um pensamento seletivo. Mas o que é isso?

O pensamento seletivo funciona da seguinte maneira: quando ouvimos dizer que “Fulano” teve 25% de acertos em testes paranormais, mas acredita-se que essa pessoa seja mesmo um paranormal, descarta-se os 75% de erros cometidos pelo indivíduo para assimilar apenas os 25% favoráveis, ou seja, selecionamos os dados favoráveis a uma hipótese, enquanto ignoramos os dados desfavoráveis.

Conclusão:

Assim, concluímos que enquanto as pessoas não aprenderem a desconfiar de tudo que lhe dizem, nunca iremos desenvolver o pensamento cientifico e como conseqüência, a sociedade fica anestesiada enquanto pessoas “mais espertas” a engana e “descaradamente” controla o destino e os atos da população em geral.

Referências Bibliográficas:

·        www.imagens.com.br (fenômenos paranormais, Uri Geller, Thomas Green Morton)

·        www.altavista.com (fenômenos paranormais)

·        “Raio X da Mente Humana” Kfouri, Fauze

·        sites recomendados na orientação do projeto.